A Teologia da Responsabilidade – Apresentação

teologia da respoO campo Teológico sempre esteve em processo de desenvolvimento, até por que, a revelação bíblica e teológica sempre foi progressiva.

Na história da teologia, se pode encontrar uma multiplicidade em conteúdo, classes e métodos teológicos, sempre na tentativa de conhecer os desígnios de Deus. Algumas mais conhecidas são a teologia patrística(primeiros defensores da igreja); teologia medieval (chamado de idade das trevas, por considerar que esta impedia os avanços da ciência); a teologia da Reforma e contra-reforma(disputa de Lutero e catolicismo) e muitos outros que se seguiram. Encontramos hoje algumas inovações de teologia pentecostal (com bíblias de vida financeira, das promessas, da mulher etc.), teologia da libertação (L. Boff) e a teologia do corpo (papa João Paulo).

Ultimamente, no campo evangélico, parece ter havido um engessamento teológico, sem novidades no que diz respeito à produção Teológica e tem dado mais lugar a experiência extra-bíblica, psicológica, experiência sensível e abandonando as escolas bíblicas teológicas.

E acredita que a falta de interesse talvez seja a falta de preparo e conteúdo teológico das escolas e professores. Conteúdo? Sim! Há muito tempo que repassam um pacote de informações que já foram ultrapassados. Ex. o percurso que fizeram o povo de Israel do Egito à terra prometida. Estudos e evidências arqueológicas provam que a passagem foi pelo caminho de Acabá; A natureza pecaminosa do homem. O estado natural de criação foi sem pecado. Este pecado corrompeu a natureza humana, mas não a alterou, por isso que ela pode ser restaurada no homem por meio de Cristo.

Quer outro exemplo? A criança é o exemplo de inculpabilidade, pois ela fica sem pecado até certo estado da consciência ou até desenvolver a capacidade de pecar. Jesus disse “deixai vir a mim as criancinhas, pois dos tais é o reino de Deus”(Mt 19.14). O trabalho de regeneração no homem é fazer que este não se deixe corromper pelo pecado, daí a palavra corrupção e incorruptibilidade.   

O porquê de uma Teologia da Responsabilidade?

Mas, deixando muitas outras considerações de lado, não se trata de criar mais uma teologia e nem contradizer pontos teológico de outras correntes, mas de apresentar a revelação teológica com base na Responsabilidade. Tal Responsabilidade tem sua base no próprio Deus e facilmente encontrada em todo seguimento da vida ético social, judicial e religioso. 

Apresentamos a Responsabilidade como chave de entendimento para todo o plano de Deus no homem: livre-arbítrio, regeneração, perdão, redenção e salvação. Sem a Responsabilidade não é possível realizar obra de salvação no homem, pois o homem pode resistir ao chamado de Deus. Em muitos casos, até um milagre, se o homem não assumir sua parte de responsabilidade, não acontece.

Esta introdução não é um tratado do desenvolvimento da Teologia da Responsabilidade, mas uma apresentação da importância da Responsabilidade como base para entendimento do plano de Deus aos homens.

Com base na Teologia da Responsabilidade, você entenderá

1) Por que Deus permitiu ao homem pecar e como aconteceu a mudança no estado de consciência de Adão e Eva e, como isto é uma realidade hoje(Gênesis 3);

2) A diferença entre o conceito de libre-arbítrio grego e Bíblico e a Responsabilidade como elo(Ezequiel 36,27; ;

3) A Responsabilidade como base teológica e ético social e existencial em toda área da vida (Lucas 6,31; Mateus 7,12; 27,21)

4) A Responsabilidade como base de comúnia e espiritual (João 15,9; Rom 12,10; 18,13);

5) A Responsabilidade como quesito para a Salvação (Marcos 16,16; Fil 1,29; Heb 10,38);

6) O crê implica em confiar e confiar em assumir a Responsabilidade de crer.

A narrativa da queda do homem, em Gênesis 3, nos revela verdades conhecidas até hoje no homem, tais como, sua capacidade de justificar, se desculpar e não responder pelos seus atos.

Vejamos uma pequena introdução dentro da Teologia da Responsabilidade.

Veremos que o estado de consciência de Adão foi alterado e perceberemos que o mesmo fenômeno acontece conosco, hoje.

O que aconteceu com o estado de consciência de Adão? E quais alterações sua consciência sofreu?

Em Gênesis 3, temos 3 personagens que se envolve na trama de pecado (Desvio do alvo), a saber: A serpente, a mulher e o homem. Em primeiro lugar, vamos desmitificar a questão da serpente. Será que ela falou mesmo?

Algumas interpretações dizem que a “serpente” realmente falou e, outros, que ela foi apenas um fantoche pela qual o diabo fez parecer que falava. Essa ideia defende uma cobra falante.

A Bíblia é repleta de simbolismo e figura de linguagem da qual se utilizavam para demonstrar e ilustrar uma verdade. A serpente é símbolo da “estultícia”(3.1) e esta palavra tem outra raiz chamada Sapiência (sophia: Sabedoria, conhecer).

Para o filósofo, Aristóteles, “a sapiência(sophia) é a virtude mais elevada. Esta é constituída, seja pela captação intuitiva dos princípios através do intelecto, seja pelo conhecimento discursivo das consequências…” (Ética a nicomaquéia, Z 7, 1141 a 34-b 2.)

Tente observar não apenas um animal ou réptil na passagem, mas a presença dessa “Sapiência” (estultícias) em todo contexto da passagem. A primeira astúcia da sapiência está em Gen. 3.1 que leva a colocar em dúvida uma orientação dada por Deus:

“E esta disse à mulher: É assim que Deus disse:” E contra argumenta a ordem de Deus: “Certamente não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal.” Gênesis 3:4,5

Eva então sede aos apelos da Serpente (Sapiência) e usando de sua capacidade de pensar (sophia), faz o jogo incitado pela Sapiência(serpente). Eva então faz uma análise da situação: “E viu a mulher (Eva) que aquela árvore era boa… agradável…, e desejável para dar entendimento;” Gênesis 3:6

Perceba que nesta trama, Eva precisou analisar e ponderar uma ação. Ela se deixa levar pela sapiência e depois de encontrar uma justificativa dentro de si e para si, se sente segura de arriscar.

Em todo ato, mesmo errado, sempre analisamos e tentamos nos convencer que é justificável aquela ação. Foi assim e sempre será! Nunca um ato impensável. Mesmo aqueles de impulso, ninguém pula de um penhasco sem conhecer as possibilidades das consequências.

Agora, o que acontece com o estado de consciência de Adão e Eva? Alguns têm dificuldades de entender a mudança de estado na consciência e acreditam como sendo anomalia, mas se trata de algo bem conhecido entre nós, facilmente percebido no comportamento humano.

Já vimos que antes deles pecarem, Eva tenta fazer um ajustamento na sua mente, analisando e ponderando o que Deus disse com o que a serpente disse. (3:6). Logicamente ela vai dizer (como qualquer ser humano) “foi ele/ela que me convenceu a fazer isto”. “eu fui enganado/a”.

Qual é o estado de consciência de alguém que leva uma vida justa e livre de qualquer acusação? O que acontece quando você é acusado injustamente? Fica indignado e ao mesmo tempo com sua consciência tranquila de culpa. Anda de cabeça erguida e consciência tranquila. Agora o que acontece quando a acusação é verdadeira? e cometeu um desvio de conduta, ético ou moral? Logicamente sua consciência fica perturbada a sofrer alterações de culpa e uma certa expectação de juízo (Heb.10:26).

Isso aconteceu com Adão e Eva e não é diferente em nós. O que antes era calmaria e paz na sua alma, agora tem de lidar com aquela expectativa de juízo. É aqui que o estado de consciência de Adão sofreu algo completamente novo e desconfortante: a culpa. E sabe o que levou a este estado? a culpa? Sim! Mas, o que lhe atribuiu a culpa? A Responsabilidade! Eles sabiam que tinham violado um acordo. Sabiam que era sua responsabilidade.

Diante da culpa, o medo, e o desencadeamento de uma sucessão de outros erros. Quais? Adão se sente acuado e se esconde. E, quando encontrado e interrogado da Responsabilidade, ele nega e tenta justificar seu erro jogando a responsabilidade para outro. Adão culpa a mulher e a mulher culpa a serpente.

O tema da Responsabilidade est’a em toda Bíblia. Veja a questão em Gênesis 4, que trata da Responsabilidade de Caim com seu irmão Abel. Então o Senhor perguntou a Caim: “Onde está seu irmão Abel? ” Respondeu ele: “Não sei; sou eu o responsável por meu irmão? ” Gênesis 4:9. Disse o Senhor: “O que foi que você fez? Escute! Da terra o sangue do seu irmão está clamando. Gênesis 4:10. Caim diz ” sou eu o Responsável pelo meu irmão?”

Aqui esta o foco da questão da Responsabilidade: Não assumir a Responsabilidade de pecador e reconhecer a culpa, não tem remissão de pecados. Arrepender ‘e assumir que errou e assumir reparar os erros.

O pecado é errar o alvo e negar sua Responsabilidade acarreta em desvio constante. Sem a Responsabilidade não há aplicação da justiça Divina.

(este assunto faz parte da obra A teologia da Responsabilidade)

Autor: pr. Paulo Filoteus.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s